Steve Jobs era conhecido por ser à frente do seu tempo, um indivíduo com ideias revolucionárias (como muitos executivos de tecnologia que surgiram na mesma época), mas que também era conhecido por seu temperamento que causava pânico em quem trabalhasse com ele. Admirado, sim. Temido, também. E quem se lembra do ex-CEO da Microsoft, Steve Ballmer, com seu temperamento expansivo e suas aparições públicas que mais pareciam um show?

Há pouco tempo, algumas figuras com certos trejeitos polêmicos eram vistos como um exemplo de liderança a ser seguida no Vale do Silício. Exemplo esse que culminou no ápice da bizarrice com figuras como Travis Kalanick, ex-CEO e fundador do Uber, que se envolveu em situações nada amigáveis e levou a uma cultura interna que promovia comportamentos inescrupulosos. Mas isso é algo que (felizmente) está mudando.

Abram alas para uma nova liderança no Vale

Hoje, perfis mais reservados e com um histórico de serem bons ouvintes e mais receptivos estão ganhando espaço e impondo novos modelos. Representantes como os CEOs Satya Nadella, da Microsoft; Sundar Pichai, do Google; Tim Cook, da Apple; e até mesmo o mais recente líder do Uber, Dara Khosrowshahi.

O líder da Apple, por exemplo. Um dos principais legados do executivo foi ter transformado a empresa de Cupertino em um lugar mais amigável para se trabalhar.  Ele é conhecido por ter um estilo de gestão estável e um tanto metódico - mais extremamente eficiente.

Khosrowshahi também ficou marcado por sua calma. Ele não se importou nem um pouco em se fantasiar de mostarda (sim, a garrafinha do condimento) para o Halloween quando liderava sua antiga empresa, a Expedia, e não mediu palavras para mostrar sua insatisfação com a administração atual do dos Estados Unidos. (Parênteses aqui só para dizer que o CFO de Khosrowshahi formava o parzinho de catchup na festa à fantasia).

Pichai? Ele veio de uma família simples da Índia. Cresceu em um apartamento com dois cômodos e é comumentemente descrito como uma pessoa tímida e quieta. E quando ele respondeu prontamente a carta de uma garotinha de 7 anos que falava sobre seu sonho de trabalhar no mundo da tecnologia (especificamente para o Google)?  

Ele disse: "acredito que se você continuar trabalhando duro e seguindo seus sonhos, você pode realizar tudo o que você planeja - de trabalhar no Google a nadar nas Olimpíadas."

Seu conterrâneo, Nadella, também é um mar de calmaria pós-Ballmer. Ele é conhecido por incentivar a empatia e a comunicação não violenta.

Exemplos

É certo dizer que há alguns anos, apesar dos personagens emblemáticos (e chamativos), sempre houve também algumas lideranças mais tranquilas que fizeram história. Mas as personalidades barulhentas, por certo, chamavam mais atenção.

No entanto, esse tipo de líder, em uma época em que a tecnologia ainda estava mostrando a que veio, precisava de barulho. Eles eram "um mal" necessário, que fez com que as pessoas passassem a "acreditar em algo que elas não entendiam ou confiavam", afirma Jeffrey Sonnenfeld, professor da prática de Liderança na Yale School of Management, à Quartz.

Ainda na opinião do especialista, há agora uma mudança de curso. Líderes passam a não se colocar mais no centro das atenções, que sabem delegar e gerenciar sem ameaças. E essa modificação coincide com o momento em que está sendo repensado o tratamento adequado para as pessoas nos locais de trabalho.