Com todas as soluções de produtividade oferecidas pelo pacote Office, a Microsoft vem mantendo sua dominação sobre o mercado corporativo há muitos anos, mas a gradual migração de usuários e empresas para os serviços na nuvem está forçando a empresa de Redmond a repensar suas estratégias para encarar novos concorrentes no Brasil e no mundo. No que depender da Google, no entanto, os dias de liderança da rival estão contados.

Segundo Cláudio Santos, CEO da Santo Digital – principal parceira da Gigante das Buscas no território tupiniquim –, a grande maioria das empresas brasileiras desconhece os produtos que a Google oferece para o mercado corporativo. No entanto, o executivo afirma que a companhia de Mountain View pretende investir mais na divulgação de suas soluções para pequenos, médios e grandes empreendimentos nacionais.

Cláudio Santos, CEO da Santo Digital

Ainda que as vantagens financeiras e práticas da assinatura de serviços na nuvem estejam começando a atrair a atenção das corporações, Santos afirma que muitas das empresas do Brasil ainda são “reféns” do pacote Office simplesmente por desconhecerem opções mais viáveis. De acordo com o executivo, as licenças caras dos softwares da Microsoft forçam muitas companhias a apelar para a pirataria, o que pode resultar em multas milionárias.

Vantagens da nuvem

Para permitir que as empresas nacionais fujam das amarras que as prendem a programas mais tradicionais, a Santo Digital oferece e dá suporte aos pacotes de soluções da Gigante das Buscas na nuvem. Segundo ele, os sistemas Google Apps for Work e Google Drive for Work podem ser usados para permitir que os colaboradores das companhias possam se conectar e trabalhar sem interrupções de qualquer lugar, independentemente do dispositivo que utilizem.

Além de todos os recursos já disponíveis nas versões gratuitas dos serviços da Google, os produtos também permitem que o email corporativo seja levado para os servidores da Gigante as Buscas – possibilitando o acesso dos funcionários por meio da interface do Gmail. Os colaboradores poderão trabalhar simultaneamente na produção de documentos, planilhas e apresentações online, fazer conferências via Hangouts e organizar reuniões pela Agenda.

Com o uso do Google Drive, também fica mais fácil para que as empresas gerenciem seu espaço limitado na nuvem e façam auditorias e armazenamento online de mensagens e arquivos, transformando a experiência do cotidiano de trabalho em algo mais eficiente, moderno e engajado. “A ideia é permitir que as pessoas trabalhem da mesma forma que vivem hoje, conectadas”, afirma Santos.

Crise abrindo portas

Segundo o executivo, o momento de crise em que o Brasil se encontra representa uma ótima oportunidade para que as empresas nacionais acelerem sua transformação digital. “[A situação econômica atual] não vai durar para sempre, então que estiver mais eficiente, com tecnologia que ajude a empresa a efetivamente vender mais, vai estar na frente da concorrência”, ressalta.

“A crise abre a porta para as companhias mudarem processos tecnologicamente obsoletos e invistam em soluções”, pontua. Com isso em mente, Santos afirma que a Google pretende voltar sua atenção com mais força para o Brasil, tornando-se mais ativa tanto em divulgação quanto em participação em eventos empresariais e de TI.

Hoje, a Santo Digital vende e dá suporte sobre os produtos da Google para mais de 1,3 mil clientes e fechou o ano de 2015 com um faturamento de R$ 7,6 milhões. Mesmo com o contexto da crise, o CEO afirma que a expectativa da empresa é fechar 2016 com uma receita de R$ 14 milhões, o que seria justificado pelo crescimento do mercado de TI ligado à nuvem, que atualmente é três vezes maior do que o das que se prendem às tecnologias tradicionais.

Clique aqui para conferir mais informações a respeito do trabalho da Santo Digital.

Você acha que a Google vai conseguir tomar a liderança da Microsoft no mercado corporativo brasileiro? Comente no Fórum do TecMundo