Entre o sonho de montar um negócio e a segurança de trabalhar em uma empresa da família, o engenheiro Rogério Rovito seguiu a segunda opção por cinco anos, atuando no setor de impressão. No entanto, a vontade de trilhar o próprio caminho falou mais alto quando o empreendedor se juntou a dois sócios para criar a Rápido Card , empresa especializada no desenvolvimento de crachás, carteirinhas e smartcards que utiliza tecnologia própria e cresce 20% ao ano.

Mas a companhia não foi a primeira a sair do papel. No início da sociedade o trio apostou na montadora de bicicletas elétricas Evolubike. Com um produto novo para o mercado brasileiro, a empresa foi, por três anos, referência na comercialização do produto. Mas os altos impostos de importação de peças, associados à burocracia nacional, impediram que o empreendimento fosse para frente. A saída foi descontinuar a empresa e fundar, em 2010, a Rápido Card.

“A experiência acumulada no negócio familiar me ajudou a formular uma técnica nova de impressão”, explica Rovito. A solução nasceu com a criação de um produto químico que permite imprimir direto no plástico, com várias camadas de PVC fundidas em uma só. “Com isso, conseguimos desenvolver um artigo com maior qualidade e escala, além de durabilidade, já que o material não se desgasta e nem desbota”, garante o empreendedor.

Redução de custos e conquista de mais de 500 clientes

Com uso de tecnologia própria, a redução de custos foi significativa, o que contribuiu para a conquista de mais de 500 clientes num curto período de tempo. Alguns produtos chegam a custar metade do valor médio encontrado no mercado, como a carteirinha estudantil, que sai por R$ 2,50. A empresa ainda produz e customiza crachás que permitem o acesso a áreas específicas e controlam créditos de alimentação. "É o que acontece em algumas universidades públicas que atendemos. Lá, só os alunos de Química podem entrar nos laboratórios do curso, e isso é feito com o mesmo cartão que usam para comer no restaurante universitário”, explica Rovito.

Para o fundador da Rápido Card, a tendência é que em um futuro próximo o modelo passe a ser usado em documentos oficiais, como RG, CPF e carteira de motorista. Antenada às últimas tecnologias de identificação e controle de acesso, a empresa se prepara para integrar telas de LCD e teclados sensitivos que adicionam mais níveis de certificação e segurança aos crachás, além de permitirem a inserção de senhas no próprio dispositivo. “Ao investir em novas tecnologias já crescemos cerca de 20% ao ano, taxa que se manteve mesmo em 2015, diante da crise econômica”, informa Rovito.

Via assessoria