O fato de que o mundo é cada vez mais mobile se torna mais evidente ano após ano, e agora estudos recentes de consultorias renomadas voltam a comprovar essa afirmação ao indicar que o número de PCs enviados para as lojas voltou a cair no começo de 2016. Segundo a Gartner, a queda foi de 9,6%, chegando a 64,8 milhões de unidades no primeiro trimestre – o primeiro com menos de 65 milhões desde 2007.

De acordo com a empresa, os cinco maiores vendedores do período foram – do maior para o menor – Lenovo, HP, Dell, ASUS e Apple, mas somente as duas últimas tiveram crescimento no envio de PCs, subindo respectivamente 1,5% e 1%. Enquanto a Dell teve uma queda pequena, de 0,4%, as líderes Lenovo e HP sofreram reduções maiores, de respectivos 7,2% e 9%.

Estimativas da Gartner de envios de PCs no primeiro trimestre de 2016

Já a IDC estimou uma situação ainda pior para o mercado de computadores como um todo, com uma diminuição de 11,5% levando ao envio de apenas 60,6 milhões de unidades no período. O ranking da consultoria tem os mesmos nomes do feito pela Gartner, mas a ASUS e a Apple aparecem em posições invertidas e também sofreram quedas. Segundo a IDC, a redução foi de 8,5% para a Lenovo, 10,8% para a HP, 2% para a Dell, 2,1% para a Apple e 8,3% para a ASUS.

Motivos da decadência

Para a Gartner, um dos motivos para a contínua decadência dos PCs é a valorização do dólar. Além disso, a IDC afirma que a volatilidade dos mercados de ações e de commodities ajudou a reduzir o número de envios. Por fim, as consultorias afirmam que os resultados preliminares indicam que as festas do fim de 2015 resultaram em um acúmulo de inventário, o que reduziu a necessidade dos varejistas de fazer novos pedidos de produtos.

As empresas ressaltam ainda a tendência de os computadores não serem mais tão adotados dentro dos domicílios, especialmente nos mercados emergentes dominados pelos smartphones. Enquanto isso, as corporações ainda estão fazendo testes com o Windows 10 e, portanto, só devem adquirir novas máquinas com o sistema mais para o final do ano.

Estimativas da IDC de envios de PCs no primeiro trimestre de 2016

"No curto prazo, o mercado de PCs ainda precisa enfrentar o interesse limitado dos consumidores e a competição de outras melhorias de infraestrutura no âmbito comercial. Em todo caso, estimamos que os gastos totais dos negócios com TI vão crescer em comparação a 2015 e que a aproximação do fim do ano deve ser marcada pela transformação dos testes do Windows 10 em compras de computadores".

Você acha que o mercado de PCs ainda vai conseguir se recuperar? Comente no Fórum do TecMundo