Você já viu por aí várias fabricantes chinesas de smartphone com design e funções de smartphones parecidos até demais com o iPhone, certo? Só que uma empresa na China virou o jogo em 2016 e acusou a Apple de cópia, inclusive levando o caso para o tribunal.

No processo, a Shenzhen Baili Marketing Services alega que a Apple infringiu patentes do smartphone 100c — e começou ganhando. Em primeira instância, uma corte local baniu o iPhone 6 e o iPhone 6 Plus de serem vendidos em território chinês até que a situação estivesse resolvida.

As vendas dos dois iPhones continuaram por conta de uma apelação da Apple, mas a imagem da marca ainda estava manchada. Em um segundo julgamento feito na última semana, a Justiça local finalmente deu o parecer a favor da companhia norte-americana, confirmando que não há qualquer indício de cópia por parte da Maçã. No veredito, consta que consumidores "não tinham problemas em diferenciar o iPhone do 100c".

O Baili 100c. Você acha parecido com o iPhone 6?

Só mais dor de cabeça

O problema disso tudo? Não havia qualquer prova efetiva de cópia e a decisão partiu logo de um órgão local de propriedades intelectuais, o Beijing Intellectual Property Office. A Apple já encontrava dificuldades de se inserir no mercado chinês — além da competição local roubar boa parte do mercado, ela até teve os serviços de filmes e livros suspensos no país durante o ano passado.

A Shenzhen Baili é tida como uma fabricante praticamente em extinção na China

Pertencente ao conglomerado Digione, a Shenzhen Baili é tida como uma fabricante praticamente em extinção na China. Mesmo após ter recebido um investimento da gigante Baidu, ela não conseguiu se manter no mercado nos últimos dois anos por "produtos defeituosos, falta de gerenciamento e a concorrência acirrada", segundo o The Wall Street Journal.