Empreendedor e filantropo, Elon Musk está mostrando que não veio ao mundo a passeio. O CEO da montadora Tesla e fundador da SpaceX (que trabalha em prol da exploração comercial do espaço) está investindo em mais uma empreitada para tornar realidade aqueles roteiros mais incríveis de ficção científica: trata-se da Neuralink, sua nova companhia que planeja criar uma inteligência artificial complexa a ponto de competir com o cérebro humano. Na verdade, seus planos são fundir máquina e cérebro nos próximos quatro anos.

De acordo com o bilionário, a ideia é levar a humanidade a uma nova fase de nossa evolução, contando com as IAs para isso. Entre os objetivos da Neuralink, está a integração da IA à consciência humana, contando com os poderes da tecnologia para que nossas mentes sejam conectadas a uma nuvem. O projeto abre um novo e ambicioso leque de possibilidades para aprimorar a forma e a velocidade com que nos comunicamos, bem como aprimorar os processos cognitivos.

Musk explicou que, em uma conversa entre duas pessoas, enquanto o cérebro da primeira "compacta" o pensamento em um padrão de linguagem, a mente da segunda tem a capacidade de "descompactar" aquele conteúdo utilizando sua cognição para tal. Quando a Neuralink atingir seu objetivo, será possível transmitir esses pensamentos diretamente, sem depender desse processo - que ficará sob a responsabilidade da IA. A novidade também deverá ajudar bastante a vida de pessoas com danos cerebrais que dificultam a comunicação, como, por exemplo, cânceres e derrames.

No entanto, apesar de o anúncio ter falado em apenas quatro anos, o empresário também disse que seria preciso no mínimo oito (ou, até mesmo, dez) anos para que a empresa traga resultados palpáveis - isso somente considerando seu uso com pessoas sem disfunções cerebrais. Apesar disso, o futuro está logo ali e a iniciativa abre portas para que novos estudos e projetos sejam desenvolvidos nesse campo.