Não é de hoje: muitas empresas ou chefes passam do limite na hora de tratar o funcionário e acabam criando uma rotina, um ambiente ou situações bem desconfortáveis. O assédio, o racismo e preconceitos estão presentes em todos os lugares, inclusive no setor de tecnologia, que muitas vezes é considerado por pessoas de fora como um setor que está livre (ou quase isso) desses problemas.

Quem revelou isso foi o estudo Tech Leavers Study, do Kapor Center for Social Impact. A pesquisa mostra que, na maioria dos casos (78%), as pessoas da área de TI sofreram algum tipo de abuso de autoridade, sexual, racismo ou qualquer tipo de preconceito, fatores que serviram como alguns dos motivos para largar o emprego. O estudo entrevistou mais de 2 mil pessoas nos últimos três anos.

Do total, 78% dos que saíram dos empregos de TI nos últimos anos sofreram algum abuso, mas isso piora ainda mais para as minorias

A pesquisa vai além: não só há abusos e injustiças no setor da tecnologia, como ele é acentuado em relação às outras áreas do mercado de trabalho. De acordo com o Tech Leavers Study, uma em cada dez mulheres sofreu algum tipo de assédio e 40% dos negros saíram nos últimos três anos dos seus respectivos empregos de TI exclusivamente por conta de racismo.

Estatísticas de saída de emprego no ramo de tecnologia

Os problemas com as cores não param aí: 30% das mulheres negras entrevistadas disseram que foram “passadas para trás” em promoções da empresa, um número significativamente menor em comparação às mulheres brancas ou asiáticas (que está perto dos 20%), algo que mostra ao mesmo tempo indícios de racismo e machismo na indústria (apenas 25% de todo o quadro de empregados da indústria tecnológica são compostos por mulheres).

No geral, todos já sofreram algum tipo de assédio, abuso ou preconceito, e isso foi um fator-chave para sair do emprego na área de TI

Para os funcionários LGBT, a situação não é das melhores também, já que, de acordo com o estudo, esses são os mais prováveis a passarem por bullying ou hostilidade: 25% deles citaram comportamentos rudes constantes contra eles e 24% alegaram já terem sido publicamente humilhados. Dos empregados gays que saíram do trabalho, 64% admitiram que as principais razões para a decisão foram o abuso e posturas agressivas.

Uma em cada dez mulheres sofreu algum tipo de abuso sexual e ao menos 20% delas acreditam terem sido passadas para trás na hora da promoção

Por mais que as minorias estejam em discussão, muitos homens brancos também sofrem com condições injustas na indústria de tecnologia que, no geral, não trata bem os seus empregados. Contudo, a paixão pelo setor de TI continua, pois mais da maioria (57%) alegou que continuaria no emprego caso não passasse por esse tipo de situação. Você pode conferir os dados completos neste link.