Logo depois de anunciar sua nova GPU de ponta com a inédita arquitetura Volta, a Tesla V100, o fundador e CEO da NVIDIA, Jensen Huang, seguiu para revelar os primeiros equipamentos completos para quem quer tirar o máximo de proveito da poderosa placa. Na ocasião, o executivo apresentou o novo supercomputador DGX-1V para data centers, que traz vantagens para quem está entrando de cabeça no mundo do deep learning.

Segundo a NVIDIA, o DGX-1 com a tecnologia Volta é como ter 400 servidores em uma caixa

Graças às suas oito GPUs Tesla V100, a máquina é capaz de usar os novos núcleos Tensor para oferecer 960 TFLOPs - total que, aliás, fez Huang lamentar não ter conseguido colocar mais 40, já que isso faria “dizer o número ser muito mais legal”. Deixando as brincadeiras de lado, o fato é que o DGX-1V consegue processar dados de inteligência artificial com o triplo da velocidade da geração anterior da DGX, que usa a arquitetura Pascal.

Segundo a NVIDIA, o supercomputador é capaz de oferecer em apenas um sistema o mesmo desempenho que até 800 CPUs possibilitariam. O aparato conta também com o sistema NVLink Hybrid Cube, que permite que os dados carregados possam ser processados com muito mais eficiência e possibilita a conclusão em 8 horas de uma tarefa que levaria 8 dias com o uso de uma máquina equipada com placas Titan X. “São 400 servidores em uma caixa”, pontuou a apresentação do CEO.

O DGX-1V tem bastante poder de fogo, especialmente para tarefas relacionadas a deep learning

Um bom “cérebro” para tanto “músculo”

Para tornar a novidade ainda mais atraente para empresas que estão levando a sério o investimento em IA, o DGX-1V vai se poder se beneficiar integralmente do Deep Learning Stack entregue pela recém-lançada NVIDIA GPU Cloud. O pacote une os frameworks mais recentes de deep learning ao kit de desenvolvimento de softwares da empresa, formando uma espécie de container que vai estar sempre atualizado para que os desenvolvedores possam treinar e colocar em prática suas novas inteligências artificiais.

A novidade também poderá se beneficiar dos softwares disponibilizados por meio da NVIDIA GPU Cloud

“O portfólio DGX e o software da NVIDIA são instrumentos essenciais para o avanço do trabalho em pesquisas sérias de IA e para o cumprimento do potencial máximo da nova era da computação. Nenhum outro sistema computacional sequer chega perto de fornecer o mesmo nível de desempenho para inteligência artificial e análise avançada de dados”, afirmou o gerente geral responsável pelo DGX, Jim McHugh, em um comunicado.

O preço do futuro

Como seria de se esperar, no entanto, todo esse poder de fogo vem com um preço igualmente inalcançável para empresas que estão apenas mergulhando os dedos do pé no grande mar de possibilidades que o uso de deep learning. Com a pré-compra aberta e previsão de entrega no terceiro trimestre de 2017, a DGX-1V sai por US$ 149 mil  equivalente a R$ 466.451 em conversão direta.

Companhias que já tiverem entrado com pedidos para a DGX-1 original, com a arquitetura Pascal, vão automaticamente passar por um “upgrade” para o novo sistema carregado com as GPUs Volta. Além disso, desenvolvedores que desejam um aparato mais pessoal e compacto para criar suas IAs sem ter que montar uma estrutura completa de servidores também poderão adquirir a nova DGX Station, sobre a qual você pode saber mais clicando aqui.