Esse é um ano muito importante para a popularização do uso das realidades virtual (ou virtual reality — VR) e aumentada (ou augmented reality — AR), e as tecnologias estão chegando com tudo no mercado do entretenimento. Outro setor já começa a se beneficiar dessa onda e a tendência é de que ambientes corporativos passem a utilizar as novidades como plataforma de treinamento para seus empregados.

Exercícios de venda em VR da Walmart trazem situações com vídeos reais que ocorreram em eventos como a Black Friday

Um dos exemplos é a rede varejista Walmart, que esperar avaliar e atualizar cerca de 150 mil funcionários em 200 unidades das chamadas “Walmart Academy” até o final do ano. Cada centro deve estar equipado com headsets do Oculus Rift e um PC gamer com software especialmente desenvolvido para isso.

O conteúdo apresenta vídeos reais com imersão de 360 graus e exibe contextos em que os trainees devem fazer escolhas rápidas a partir de várias situações ligadas ao cotidiano de suas funções. Por exemplo, eles podem ser examinados durante um atendimento ao consumidor, no gerenciamento de empregados ou em eventos sazonais, como a Black Friday.

De onde veio a ideia

Certo dia, Brock McKeel, diretor sênior de operações da Walmart, viu de perto o uso da VR com a equipe de futebol americano da Universidade do Arkansas, a partir de um sistema desenvolvido pela empresa STRIVR. Fascinado pelos bons resultados, o executivo logo chamou Derek Belch, CEO da startup, para uma conversa.

A pequena companhia ampliou o foco, do nicho dos atletismo colegial e profissional, para o varejo e assim nasceu o primeiro piloto, em janeiro deste ano. Nesse tempo, ambos os grupos trabalharam em conjunto para chegar aos exercícios relevantes para o setor.

“Não fazemos nada que não justifique o uso da VR. Temos experiências que vão desde os cargos hierárquicos mais baixos até o gerenciamento das lojas”, comenta Belch.

Empresas gostaram

Ainda não há números precisos ou uma pesquisa detalhada sobre os resultados após esses testes, porém, muita gente já aprovou a iniciativa e já está em busca de experiências personalizadas para suas companhias.

Grupos de serviços financeiros e da área de veículos — Signia Venture Partners, BMW i Ventures, Advancit Capital e Presence Capital — vêm investindo em projetos semelhantes junto à STRIVR, que viu suas receitas aumentarem em US$ 10 milhões nos últimos dois anos. E a tendência é que essas cifras cresçam ainda mais com a chegada em massa de periféricos e propostas em VR e AR nas próximas temporadas.

O vídeo abaixo conta mais um pouco: