Conhecida por produzir softwares que evitam que jogos sejam pirateados, ironicamente a Denuvo está sendo acusada de usar ferramentas não licenciadas. Desenvolvedores do VMProtect, que protege outros aplicativos contra engenharia reversa e cracks, acusam a companhia de usar seus produtos sem a permissão necessária.

Eles usaram de forma absolutamente ilegal nosso software VMProtect

“Quero contar uma história sobre uma empresa austríaca muito esperta e gananciosa chamada Denuvo Software Solutions GmbH”, afirmou um usuário do fórum russo RSDN identificado como drVano. “Há certo tempo, essa companhia lançou um sistema de proteção com nome semelhante, mas a parte mais notável é que eles usaram de forma absolutamente ilegal nosso software VMProtect no processo”.

Segundo drVano, a Denuvo chegou a entrar em contato com os desenvolvedores do VMProtect há três anos, mas um contrato de licenciamento nunca foi estabelecido — o que não impediu que o suposto roubo fosse realizado. “Tudo ia bem para eles até que os notificamos que sua licença havia sido cancelada devido a uma brecha de contrato. Opções para resolver o problema foram oferecidas, incluindo o pagamento de uma compensação modesta. Nossas propostas foram ignoradas”.

Batalha que vai para os tribunais

A solução da VMProtect foi se unir à desenvolvedora do software antipirataria Sophos para que suas ferramentas apontassem o Denuvo como malware. Além disso, a empresa entrou em contato direto com a Valve, na tentativa de remover produtos que usam o trabalho de “golpistas” em seus DRMs.

Agora, a companhia se prepara para entrar nos tribunais contra a Denuvo, na tentativa de dar a ela uma “lição muito boa”. Essa não é a única reclamação recente relacionada à solução de DRM: na semana passada, o hacker conhecido como Baldman provou que a versão mais nova do software — que não é baseada na VMProtect — estava causando impactos negativos sobre o desempenho de jogos que rodam no PC.