Depois de uma longa reunião entre os acionistas feita na última quinta-feira (8), o conselho da Yahoo finalmente decidiu aprovar a venda de parte da corporação para a Verizon – uma das maiores empresas de telecomunicações dos EUA.

Com o acordo, as duas empresas fecham um negócio que, entre idas e vindas, se arrasta desde meados de julho de 2016. Uma série de episódios relacionados a brechas de segurança nos serviços da gigante da internet acabaram atrasando o acordo e fizeram com que a compradora reavaliasse o preço a ser pago pela Yahoo.

Nem os recorrentes hacks impediram que o negócio fosse fechado

Um negócio de US$ 4,48 bilhões

Agora, a ideia é que o negócio seja fechado oficialmente no próximo dia 13 de junho ao custo de cerca de US$ 4,48 bilhões – algo em torno de R$ 14,6 bilhões –, dando à Verizon o controle sobre toda a operação principal da companhia liderada anteriormente por Marissa Mayer.

Vale notar que a Yahoo Inc. fez uma proposta adicional para depois que os papéis estiverem assinados: comprar de volta US$ 3 bilhões (R$ 9,8 bilhões) de ações do seu antigo braço online até o dia 16 de junho. Não se sabe se a telecom norte-americana vai aceitar ou não o pedido da parceira.

O futuro

Com a novela entre Yahoo e Verizon quase no fim, algumas mudanças devem ocorrer em ambos os frontes. A Yahoo Inc., por exemplo, deve ser renomeada para Altaba, mostrando a sua influência na Alibaba Group Holding e mantendo 35,5% das ações da Yahoo Japan Corp.

Para os funcionários que forem transferidos da Yahoo para a Verizon, no entanto, o futuro pode não ser tão próspero. Isso porque rumores da indústria indicam que tanto a empresa quanto a AOL, quando forem unidas sob a bandeira Oath, podem promover uma “limpeza” de pessoal que pode resultar em mais de mil demissões.