Se você está preocupado com aquela história de que máquinas vão tomar o lugar de muitos humanos em tarefas repetitivas, fique tranquilo: ainda há muitas outras opções de trabalho para serem inventadas. De acordo com um estudo realizado Dell Technologies, em parceria com o Institute for the Future (IFTF), 85% das profissões de 2030 ainda nem existem.

Com toda essa evolução tecnológica que está por vir, todas as organizações e os negócios passarão a ser baseados em tecnologia. E isso significa que as empresas terão de repensar modelos atuais de infraestrutura e formas de trabalho.

“O rápido avanço da tecnologia tem provocado mudanças sem precedentes na sociedade. E esse estudo demonstra que pessoas e empresas que não se prepararem desde agora para esse novo mundo dificilmente terão espaço no mercado”, afirma Luis Gonçalves, presidente da Dell EMC Commercial no Brasil.

Ainda de acordo com os especialistas, a tendência é de que a demanda por profissionais especializados aumente. A ideia é que esses novos trabalhadores executem tarefas específicas dentro de uma empresa e não mais ocupem uma posição definida no negócio.

Para encontrar tais profissionais, as empresas investirão mais em machine learning e em big data e analytics para identificar competências e conhecimentos que se adequem às suas necessidades.

Já do lado do capital humano, as pessoas também terão de se adequar nessa nova fase, aprendendo em tempo real as competências requeridas por empresas, caso queiram sobreviver no mercado de trabalho.

O estudo aponta também que, na próxima década, organizações que entenderem e apoiarem nativos digitais em sua busca de aprender e causar impactos significativos no planeta também serão as que mais terão chance de atrair os melhores talentos.

Além disso, o relatório prevê que as tecnologias emergentes, suportadas por enormes avanços em software, big data e capacidade de processamento, mudarão a forma como as pessoas vivem  o que resultará em uma nova fase de relacionamento homem-máquina.

Nesse sentido, a tecnologia vai representar uma extensão das pessoas, ajudando a direcionar e gerenciar melhor as atividades cotidianas, de acordo com os especialistas.

As novas tecnologias também serão responsáveis por ajudar humanos a ir muito além das suas limitações — favorecendo, inclusive, habilidades como criatividade, entusiasmo e uma mentalidade empreendedora.

Isso, alinhado à capacidade das máquinas de proporcionar velocidade, automação e bom desempenho, vai resultar no aumento de produtividade e permitir novas oportunidades em termos de segmentos de mercado e atividades profissionais.

O “The Next Era of Human-Machine Partnerships” (A Nova Era de Parcerias Homem-Máquina, em tradução livre) conta com entrevistas realizadas com 20 especialistas globais nas áreas de tecnologia, negócios e acadêmicos. O objetivo do estudo é mapear o impacto que as novas tecnologias devem trazer para a vida e o trabalho das pessoas até 2030.