Cory Booker, o senador democrata de Nova Jersey, nos Estados Unidos, acredita que o governo norte-americano deve ser mais crítico ao tamanho gigantesco de companhias como a Amazon, a Google etc. Isso porque, segundo Booker, ambas as empresas querem ser ainda maiores do que são e devem acabar engolindo cada vez mais a concorrência — e também pela possível invasão em outras áreas da indústria. Um dos primeiros passos foi dado pela Amazon, que recentemente comprou a cadeia de supermercados Whole Foods em um negócio de US$ 13,7 bilhões (R$ 43,3 bilhões).

O senador Booker pode ser a escolha do Partido Democrata para 2020

A opinião de Booker foi dita durante o podcast Recode Decode. Na íntegra, o senador disse que "o governo norte-americano precisa ter um olhar mais crítico para companhias grandes que pretendem ficar ainda maiores, seja na compra da Whole Foods pela Amazon ou no rastro deixado pela Google, com uma série de fusões na indústria de telecomunicações pendentes de aprovação governamental".

"Esta consolidação que está acontecendo por todo o país não é uma tendência positiva", alertou Booker. Caso você não saiba, o senador, que também é advogado, sempre esteve envolvido em questões da indústria de tecnologia/telecom e ainda é um candidato em potencial para as eleições de 2020 para o Partido Democrata dos EUA.

Um estado forte e uma agência antitruste eficiente em prol do consumidor: isso é o que pensa o senador Booker, o cara que pode ser o candidato do Partido Democrata para as eleições de 2020 nos EUA

Senador Cory Booker

Contra corporações, pró-consumidor

Essa opinião de Booker, segundo o próprio, vai contra a administração do atual presidente Donald Trump. Isso porque o governo de Trump estaria "afrouxando no que toca a defesa de proteção ao consumidor".

A primeira ação do senador Booker é destrinchar o negócio entre Amazon e Whole Foods, sob alegação de uma "preocupação antitruste". Outro ponto destacado pelo senador é que as comunidades negras norte-americanas podem ser afetadas pelo possível futuro monopólio, já que faltaram opções de mercados alimentícios de baixo custo, fácil acesso e saudáveis.

Nós deveríamos elevar o nível crítico quando formos julgar a aprovação deste negócio

"Já é uma época difícil para que os supermercados se movam para as comunidades urbanas, para dar às pessoas a escolha, para dar às pessoas competitividade de preços, de modo que elas realmente paguem por alimentos acessíveis ", disse o senador. "Eu me preocupo com a consolidação de mercados, eu me preocupo com as oportunidades de trabalhos que muitas dessas cadeias de supermercados criam, e por isso estou cético com essa fusão em particular, altamente cético (...) Nós deveríamos elevar o nível crítico quando formos julgar a aprovação deste negócio".

Booker deixa claro um medo: de que pessoas no topo dessas mega corporações não irão fazer nada além do que inflamar as injustiças econômicas "entregando poder para a consolidação corporativa e menor poder para os norte-americanos". Além disso, o senador acredita que as agências antitruste dos Estados Unidos não estão fazendo o próprio trabalho de maneira adequada.

O que é impressionante para mim é que não aprendemos as lições e não estamos protegendo os consumidores

"Eu acho que o governo dos EUA deve ser muito mais ativo nas ações antitruste porque, quando eles tomaram ações, muitas vezes criaram benefícios colaterais para a sociedade", comentou Booker citando sondas federais na Microsoft e a dissolução da AT&T, notando que foram ações que trouxeram "muitos benefícios para os consumidores e para a inovação". "O que é impressionante para mim é que não aprendemos as lições e não estamos protegendo os consumidores", finalizou o senador.

Vale lembrar que, na Europa, a união reguladora antitruste aplicou uma multa de US$ 2,7 bilhões na Google no mês passado, em junho — no caso, a companhia estava favorecendo empresas parceiras nas ferramentas de buscas e "impedindo" a busca fácil por concorrentes.