O próximo episódio da popular "Game of Thrones" pode estar, em breve, disponível online  antes mesmo do lançamento mundial oficial. Para ansiosos de plantão e viciados na série, isso pode até ser considerado por eles uma boa notícia. Mas o fato é que esse capítulo, se realmente cair na rede, será liberado de forma ilícita.

Sim, os sistemas da HBO foram invadidos e, como resultado, alguns seriados tiveram arquivos roubados e vazados na internet. "A HBO recentemente experimentou um incidente cibernético, que resultou no comprometimento de informação proprietária", disse a empresa, por meio de comunicado oficial divulgado pela Entertainment Weekly. "Nós imediatamente iniciamos uma investigação do incidente e estamos trabalhando com agentes da lei e outras empresas de cibersegurança. Proteção de dados é uma das nossas principais prioridades na HBO e levamos a sério nossa responsabilidade para proteger nossos dados."

Cibercriminosos afirmam ter obtido 1,5 TB de dados da empresa. Até o momento, episódios das séries "Ballers" e "Room 104" aparentemente já estão disponíveis para quem quiser assistir. Há também material supostamente pertencente ao quarto episódio de GoT.

A HBO não se pronunciou, no entanto, sobre quais séries, de fato, foram comprometidas pelo incidente. Nem sobre o volume do material roubado. Também não está claro como a invasão aconteceu.

A Entertainment Weekly obteve um email que o CEO e chairman da empresa, Richard Plepler, teria enviado a funcionários, alertando sobre o caso. "Qualquer intrusão dessa natureza é obviamente perturbadora e inquietante para todos nós. Posso assegurar que a liderança sênior e nossa extraordinária equipe de tecnologia, juntamente com especialistas externos, estão trabalhando 24 horas por dia para proteger nossos interesses coletivos", disse ele.

"O problema diante de nós é, infelizmente, muito familiar no mundo em que estamos inseridos. Como aconteceu com outros desafios que já enfrentamos, não tenho dúvidas de que vamos passar por isso com sucesso", completou.

O "problema familiar" que o CEO se referiu é o fato de que, no mundo das séries televisivas, há uma constante guerra entre empresas e pirataria. Só no primeiro episódio da nova temporada de "Game of Thrones", por exemplo, a companhia registrou 16 milhões de telespectadores  contra 90 milhões de visualizações ilegais registradas pela empresa de análise de pirataria MUSO.

Essa guerra não conta apenas com participação da HBO. Outras empresas, como Netflix e Sony, também já foram atingidas por esse tipo de incidente.

Em abril, por exemplo, um cibercriminoso invadiu o sistema da empresa de Reed Hastings e liberou episódios da quinta temporada de "Orange is the New Black", antes de a série retornar.

Esse caso pode ser considerado ainda mais perturbador, visto que a Netflix tem uma política de liberar todos os episódios de uma vez, para acalmar os ânimos dos mais ansiosos. E, ainda assim, parece não ser o suficiente.

A Sony, por sua vez, enfrentou uma brecha gigantesca em 2014, quando teve 100 terabytes de dados roubados.