Muitas companhias de tecnologia estão investindo em suas assistentes virtuais pessoais, como a Siri, da Apple, ou a Cortana, da Microsoft. Mas poucas atentaram para o fato de que, possivelmente no futuro, essas ajudantes precisarão se comunicar entre si.

Mas, no início desta semana, Satya Nadella, CEO da Microsoft, afirmou que a Cortana poderá se comunicar com a Alexa, a assistente virtual da Amazon de Jeff Bezos.

A união é a primeira do gênero na história entre as duas empresas. De acordo com as duas gigantes, a ferramenta estará disponível ainda neste ano. Segundo os comunicados, os dois programas poderão chamar um ao outro para fazer pedidos ou tirar dúvidas.

“Garantir que a Cortana esteja disponível para nossos clientes em todos os lugares e em qualquer dispositivo é uma prioridade fundamental para nós. Levar o conhecimento da Cortana, a integração do Office 365, compromissos e lembretes para a Alexa é um grande passo em direção a esse objetivo”, disse Nadella em nota oficial.

“O mundo é grande e tão multifacetado. Haverá vários agentes inteligentes bem-sucedidos, cada um com acesso a diferentes conjuntos de dados e com diferentes áreas de habilidades especializadas. Juntos, seus pontos fortes se complementarão e oferecerão aos clientes uma experiência mais rica e ainda mais útil”, explicou Bezos também através de um comunicado.

Aquele resumão básico

No fim das contas, tudo funcionará da seguinte forma: os clientes da Alexa poderão acessar recursos únicos da Cortana, como marcar uma reunião, acessar calendários do trabalho, receber alertas de lembretes ou ter seus emails lidos pelo programa.

Já os usuários da Cortana poderão contar com ajuda da Alexa para controlar seus dispositivos domésticos inteligentes e fazer compras no site da Amazon.

O ponto interessante da fusão das duas assistentes é que elas possuem propósitos bem distintos. Uma é focada em produtividade e uso empresarial, enquanto a outra é especializada em comércio eletrônico, entretenimento e em seu consumidor.

Sendo assim, uma não compete com a outra, concorda? Logo, a ideia mais inteligente é unir as duas plataformas, o que foi uma ótima jogada entre as duas empresas.

Jeff Bezos já deixou clara sua ideia de que no futuro as pessoas lidarão normalmente com assistentes virtuais e que a tendência é de que surjam ainda mais programas como esses. Questionado sobre uma possível integração com a Siri, da Apple, ou a voz do Google, o empresário afirmou que não teve nenhum tipo de conversa com as duas gigantes do Vale do Silício.