A Alphabet anunciou seus ganhos para o terceiro trimestre do ano. E, apesar de toda o alvoroço em torno de assuntos como carros autônomos, balões de internet, e outros temas mais curiosos (como o fato da empresa estar em busca de maneiras para acabar com a morte) a única coisa que realmente importa para o negócio da gigante é apenas uma: publicidade. Claro que o perfil visionário da empresa pode trazer revoluções para o mercado, mas não se iluda: o tanto de dinheiro que a gigante pode fazer com anúncios ainda é o único assunto que Wall Street está realmente interessado.

E, pelos resultados anunciados, parece que o futuro continua promissor. O lucro líquido da companhia atingiu valor 33% acima do registrado para o mesmo trimestre do ano anterior, com US$ 9,57 de ganhos por ação. A receita também aumentou 24% em relação aos US$ 22,45 bilhões registrados no mesmo período em 2016, chegando ao montante de US$ 27,77 bilhões neste ano.

A empresa, na última semana, já havia comemorado bons resultados, tendo pela primeira vez ultrapassado a marca de US$ 700 bilhões em valor de mercado. Fora os resultados do último trimestre. Para uma rápida lembrança: o Q2 ultrapassou as expectativas de analistas, com US$ 26,01 bilhões em receita e US$ 5,01 de lucro por ação.

E por que a importância dos anúncios?

Vendas de anúncios representaram quase 87% da receita gerada no último trimestre fiscal. Ou seja, basicamente publicidade tem um papel realmente significativo para a Alphabet, tanto no quesito receita quanto no quesito lucros. Mas a empresa está em busca de diversificação no momento.

A ideia é apostar na venda de publicidade em outras plataformas do grupo, como YouTube TV, YouTube Red e Google Play Music. Sem contar com as apostas da Alphabet em hardware, com a compra de parte da HTC e o lançamento de uma nova gama de produtos como Google Pixel 2 e novos modelos da família do Home.

“Other Bets”

Apesar da empresa estar fortalecendo seus aparatos de batalha com outros temas (que citamos no início do texto), ainda são apostas que precisam de um investimento alto até decolar (se é que vão, de fato, decolar). Waymo, Verily, Jigsaw, Calico. Cada uma dessas vertentes é responsável por ideias visionárias que podem revolucionar o mercado ou apenas ser ideias - e das bem salgadas. 

Sabe o quanto de investimento a Alphabet aplica nesse sentido? No segundo trimestre o “other bets” da empresa representou um gasto de US$ 772 milhões (e o segmento perdeu pelo menos US$ 500 milhões por trimestre nos últimos 11 quarters). Neste Q3, o valor de perdas operacionais ficou ainda mais acima, ou US$ 812 milhões.

A receita dessa divisão (que no terceiro trimestre representou US$ 302 milhões) ainda vem primariamente de aquisições feitas pela companhia ao longo do tempo, como Nest e Fiber.

Ou seja, basicamente o que importa no final das contas é o tanto de dinheiro que a Alphabet consegue fazer com anúncios. Enquanto o Google e o YouTube continuarem a gerar receita com publicidade, a Alphabet ainda pode se dar ao luxo de injetar uma quantidade grande de dinheiro em seus outros projetos.