Foi em 2011 que Tim Cook subiu no palco de um evento como CEO da Apple pela primeira vez. A ocasião era o lançamento do iPhone 4S e tinha tudo para ser um fiasco. Primeiro, porque Steve Jobs estava afastado, por conta de um câncer no pâncreas. Depois, porque ninguém esperava muito do modelo 4S. A coisa toda teria sido mesmo um fiasco, não fosse por um detalhe: a Siri, a assistente virtual da Apple, foi apresentada ao mundo naquele dia. O buzz ao redor da tecnologia foi tamanho que o 4S se tornou o smartphone mais vendido da época: em três dias, quatro milhões de unidades se foram das lojas. Mas o que já foi motivo de orgulho para a Grande Maçã, se tornou nos últimos tempos um verdadeiro abacaxi (com o perdão do trocadilho).

O The Information publicou uma baita matéria sobre o assunto nesta semana. Numa frase, ela poderia ser resumida assim: um monte de trocas na liderança e opiniões diferentes sobre o que a Siri deveria ser fizeram com que a inteligência artificial ficasse atrás de suas concorrentes, mesmo tendo nascido três anos antes. A história é bastante polêmica. Começa contando, por exemplo, que a IA foi incluída no iPhone 4S às pressas, sem que seu sistema estivesse pronto.

#TBFriday

A tecnologia por trás da Siri foi criada por uma startup chamada Siri Inc., que foi comprada pela Apple em 2010. Steve Jobs e os fundadores da Inc. tinham uma visão bastante clara sobre o que queriam que a IA se tornasse: um sistema que funcionasse à la Samantha, a assistente virtual com voz de Scarlett Johansson do filme Her. Isso significa, basicamente, que o foco todo estava em desenvolver uma inteligência para o sistema que o tornasse quase que um amigo do usuário - e não apenas um provedor de respostas. Só que Jobs morreu um dia depois do lançamento da Siri. Para muitos funcionários, foi aí que a companhia perdeu a visão total do que a IA deveria virar.

Maçã bichada

Segundo a reportagem, um dos grandes culpados pela derrocada da Siri é um cara chamado Richard Williamson, que assumiu o comando do time responsável pela assistente pouco depois de seu lançamento. Ele teria tomado uma porção de decisões com as quais a equipe não concordava - incluindo aí os fundadores da Siri Inc. Uma de suas medidas mais controversas foi uma mudança na agenda de atualizações da IA: os updates passariam a acontecer apenas uma vez no ano, assim como no sistema iOS. Só que, para o time que criou a Siri, ela deveria ser atualizada constantemente.

A chegada da Siri salvou o lançamento do iPhone 4s, mas ficou por aí

Depois de Williamson, o departamento passou por uma troca de liderança atrás da outra. Alguns gestores sequer chegaram a completar um ano no comando. Outros, fizeram aquisições para melhorar o sistema de buscas da Siri, como as das startups Cue e Topsy. No final, tudo só colaborou para aumentar o racha que existia entre quem acreditava na visão original e quem pretendia tornar a Siri um grande buscador de respostas. Funcionários entrevistados chegaram a dizer que "parecia uma guerra."

HerSteve Jobs queria uma Siri parecida com a Samantha, do filme Her

It's an Alexa's world

Para muita gente, um dos principais erros da Apple foi não ter aberto o código da Siri logo quando ela foi lançada. Assim, a empresa poderia ter criado uma espécie de IA App Store, na qual desenvolvedores dariam novas funções à assistente virtual. A companhia só foi fazer isso em 2016, com o SiriKit. A Amazon disponibilizou o Alexa Skills Kit um ano depois do lançamento da Alexa, em 2014. Assim, a rival acumula mais de 25 mil comandos criados apenas por desenvolvedores de fora.

A Siri saiu na frente, mas a briga interna na Apple deixou a IA para trás na corrida com Amazon e Google

NãoPod

O resultado mais recente do atraso da Siri veio com o lançamento do HomePod. O smart speaker da Apple foi anunciado em junho do ano passado. Recebeu críticas pesadas: "não se apresse em comprar", disse o NYTimes; "entra no mercado de home-speakers num distante terceiro lugar, no máximo", falou o WSJ. Nos reviews, a assistente foi descrita como "dopada", "irritante" e "vergonhosamente inadequada". 

Talvez seja por isso que a Alexa anda soltando risadas macabras do nada.

Curtiu o texto? Saiba que isso é só um gostinho do que é publicado diariamente na newsletter do The BRIEF, que traz as principais notícias do mercado de tecnologia pra você, todas as manhãs. É serious, é business, mas com um jeitão bem descontraído (#mozão). Para assinar, é só clicar ali -> aqui