Eu sei o que você está pensando: "de novo The BRIEF". Mas, a razão é porque o caso é sério, o caso é grave. E porque toda história tem uma parte II (ou mais) quando importa. A notícia de que uma empresa chamada Cambridge Analytica usou o Facebook para garimpar dados de 50 milhões de pessoas e, assim, influenciar decisões políticas do naipe das eleições dos EUA e os votos do Brexit, caiu feito um meteoro em Palo Alto. E se espalhou pelo mundo.

Vamos para os updates no caso. Ou seria melhor dizer no caos?

  • Um ex-funcionário da área de segurança da empresa confirmou a notícia. Sandy Parakilas disse que a rede social nunca implementou mecanismos para proteger os dados dos usuários contra o mal uso de terceiros.
  • O Chief Security Officer, Alex Stamos, deve deixar a companhia. O rolo da rede social com a CA teria sido a gota d'água para o sujeito, que já tinha entrado em algumas brigas ao defender que o FB adotasse uma postura mais transparente a respeito das fake news espalhadas na plataforma. Stamos se torna, assim, o primeiro alto executivo a deixar a rede social por conta do escândalo. Não Stamos brincando.
  • O parlamento britânico convocou o próprio Mark Zuckerberg para explicar como a rede social adquire, armazena e protege as infos dos usuários.
  • A Federal Trade Commission, agência americana que protege os interesses do consumidor, abriu uma investigação. O órgão quer descobrir se a rede social violou um trato que fez em 2011, quando se comprometeu a não entregar dados de internautas sem o consentimento deles.
  • A Cambridge Analytica afastou o CEO, Alexander Nix.
  • O cofundador do WhatsApp, Brian Acton, mandou um tuíte tarde da noite ontem, dizendo "It's time #deletefacebook". Lembrando que o WA foi comprado por Zuck em 2014, por USD 16 bilhões. Fale mais sobre shade.

Mas a pergunta que não quer calar mesmo é essa daqui:

Mark, cadê você, meu filho?

A maneira como o Facebook lidou com a história poderia ser um manual do que não fazer em casos de crise. No sábado, horas antes de as histórias serem publicadas pelo The Guardian, a rede social soltou um comunicado dizendo que já havia suspendido a CA de sua plataforma. O que ninguém sabia até ontem é que a empresa fez muito mais do que bolar um textinho e ameaçou processar o jornal. Quem contou foi a repórter Carole Cadwalladr em seu Twitter, num post que foi compartilhado quase 15 mil vezes.

De lá para cá, Mark Zuckerberg viu USD 5 bilhões desaparecerem de sua fortuna. E outros CEOs de gigantes de tech também, como Jeff Bezos, Jack Ma, Larry Page e Sergey Brin. Em outras palavras, o escândalo foi tão cascudo que conseguiu balançar a imagem de todo um setor que até outro dia parecia imbatível. O Market Cap do próprio Facebook caiu USD 40 bi. No meio desse furacão, o silêncio de Mark Zuckerberg é quase ensurdecedor. Até agora, nem ele, nem a COO, Sheryl Sandberg - os rostos do FB -, disseram uma palavra. Nem mesmo aos funcionários. Ontem, a rede social organizou uma reunião com toda a equipe para solucionar dúvidas a respeito da participação da empresa na polêmica. Quem comandou foi um consultor jurídico. Sandberg e Zuck não deram o ar da graça.

Ah, caso você esteja se perguntando, o último post do Mark é de 2 de março (bem antes da treta):

Uma rápida atualização: Zuck deve falar com a galera na reunião de perguntas e respostas que a rede social promove - só que na sexta-feira! O pensamento aqui deve ser: "antes tarde do que mais tarde"?

Até onde vai a BRonca

Para coroar, o canal britânico Channel 4 divulgou gravações de reuniões feitas com executivos da Cambridge Analytica. Nelas, os caras diziam que já haviam feito campanhas secretas durante eleições em todo o mundo. "Não vale a pena brigar numa eleição com fatos, porque tudo é sobre emoções", era o argumento. Falavam ainda que estavam prestes a entrar no Brasil.

Apavorou? A gente, sim. Aqui, você descobre como deletar aplicativos que usam a API do Facebook e que possam passar seus dados para empresas como a CA. Se quiser tomar medidas mais drásticas, uma porção de sites pelo mundo publicou tutoriais de como apagar o perfil da plataforma. Just in case.

Curtiu o texto? Saiba que isso é só um gostinho do que é publicado diariamente na newsletter do The BRIEF, que traz as principais notícias do mercado de tecnologia pra você, todas as manhãs. É serious, é business, mas com um jeitão bem descontraído (#mozão). Para assinar, é só clicar ali -> aqui