De volta para o futuro

Absurdamente rico, provido de uma lustrosa careca, dono de uma inteligência aguçada e capaz de gerar terror em seus inimigos pela simples menção de seu nome. A gente poderia estar descrevendo Lex Luthor. Mas, no caso, estamos falando de Jeff Bezos. O bilionário mais bilionário do mundo reuniu sua própria liga secreta de mentes brilhantes em um evento para maquinar planos sobre inovação. Hoje é o último dia do tal encontro, chamado de re:MARS. Além do baita nome de anime — MARS é um acrônimo para Machine learning, Automation and Robotics e Space — a “legião da IA” dá uma prévia do que a amazona do e-commerce vislumbra para o futuro.

O que acontece em Vegas...

Com ingressos cotados a módicos USD 1.999, a conferência trouxe para Las Vegas uma série de lançamentos. Mas, antes, vamos lembrar que a gigante do e-commerce foi uma boa anfitriã e recebeu keynotes de vários parças. Uma delas teve ninguém menos que Robert Downey Jr. apresentando uma iniciativa para uso de inteligência artificial na limpeza do planeta. Algo como os Vingadores do meio ambiente. Rolou até um FaceTime com o “marciano” Matt Damon. Tem vídeo. Outra participação especial foi a de Marc Raibert, CEO e fundador da Boston Dynamics, comentando a abordagem holística (e meio assustadora) de seus robôs. Raibert explicou que seu time foca em duas pontas: produtos capazes de realizar tarefas simples e também máquinas multi-propósito, como o Atlas AKA a ~Lamborghini dos robôs~.

A exterminadora de assistentes

Mas, o senhor Bezos não levaria todo mundo para a City of Lights só para aplaudir os feitos de parceiros. A amazona revelou suas apostas para o futuro imediato também. A primeira delas é o novo conjunto de habilidades da Alexa. A assistente virtual poderá desenvolver diálogos mais fluentes e “humanos” com seus usuários. Algo como reservar uma mesa no restaurante após você pedir para comprar ingressos no cinema. Na sequência, ainda oferece a reserva de um Uber para fechar a noite. Alfred Pennyworth não faria melhor. Essa combinação de skills é capaz de posicionar muito bem a assistente na disputa com Google, Apple e companhia. Tudo graças ao machine learning, que está na “fundação de todo que a Amazon faz”, segundo Dave Limp, o VP de devices e serviços da companhia.

Blade Shopper 2030

A marca ainda anunciou o novo design dos drones do programa Prime Air — que farão entregas de até 24 km de distância em coisa de meia-hora. Os novos modelos ainda colaboram com o objetivo da empresa de zerar a emissão de carbono em suas entregas até 2030. O setor de robôs da marca também deve ser reforçado com 200 mil novos sistemas robóticos embalando, selecionando e agilizando pacotes globalmente. Sem deixar o campo das compras, os seguidores de Bezos também apresentaram o StyleSnap, aplicativo que funciona como um “Shazam para roupas”. Meaning: você tira uma foto e a IA acha itens parecidos no catálogo da loja virtual.

Blue Moon Rising

Quem acompanhou os anúncios deve ter se ligado que o futuro da marca é muito mais pragmático do que futurista. Ninguém está falando de carros autônomos, conexão total, data mining de mentes ou coisa parecida. No fim das contas, a Amazon quer se manter a frente dos concorrentes sendo mais eficiente e ainda mais rápida. Tanto que a empreitada espacial do senhor Jeff — a Blue Origin — soa como uma sonho ambicioso, mas distante. Durante o evento, Bezos explicou, após a interrupção de uma ativista de direitos animais, que a exploração espacial é necessária para salvar o planeta Terra. No meio de uma abordagem tão pé no chão e corporativa, tá aí algo com cara de que saiu de um livro ou quadrinho de ficção científica.