Chega de celular

Com a temporada de conferências para desenvolvedores chegando ao fim, já sabemos a resposta de Google e Apple para o uso abusivo de smartphones. Basicamente, o sistema operacional de cada empresa vai jogar na sua cara o quão viciado você é para, quem sabe, te convencer a desgrudar desse bendito celular. Os recursos das novas versões de Android e iOS prometem trazer relatórios de uso detalhados e até mesmo bloquear apps após longos períodos de atividade. Uma diferença na abordagem das empresas está nos controles parentais. A criadora do iPhone permite que os pais estabeleçam limites nos smartphones de seus filhos, enquanto os controles do Android são mais voltados para o próprio usuário.  Ainda não dá para saber como esses recursos vão operar na vida real, Mas, ao que parece, as iniciativas são mais uma resposta aos críticos do que propriamente soluções definitivas.

BTW: por falar na Apple, a empresa deve impor limites para a quantidade de dados que o Facebook pode garimpar dos devices de seus usuários. Durante a apresentação do recurso de privacidade na WWDC , várias das telas apresentadas mencionaram FB ou Instagram, serviços comandados pelo menino Mark. A gente até curtiu o shade, mas o problema é que as ferramentas de proteção estão presentes apenas no Safari. Que é tipo o Internet Explorer da Apple. Todo mundo usa só para baixar o Chrome.

Meme Wars

Quando uma civilização avançada chegar ao planeta Terra, os memes compartilhados em nossa primitiva tecnologia contarão o legado cultural de uma espécie. Se o mundo acabasse hoje, é bem provável que o meme mais encontrado por nossos amigos aliens fictícios seria a imagem do ator Kayode Ewumi apontando para sua própria testa, com um sorriso maroto no rosto. Conhecido como Roll Safe, o meme é o mais popular no Twitter, segundo um artigo publicado por um grupo de pesquisadores da União Europeia. O time analisou e classificou memes disponíveis em quatro serviços:  Twitter, Reddit, 4Chan e Gab. De acordo com os resultados do estudo, o Twitter é o mais mainstream e com brincadeiras menos agressivas. Já o 4Chan e seu sistema de postagens anônimas tem opiniões mais politicamente incorretas. O medalhista de bronze Reddit está no meio termo entre os dois, com destaque para as galhofas nas páginas de políticos. Apesar das peculiaridades de cada plataforma, há um ponto em comum: a cara triste de Pepe the Frog, que aparece no “top 20” de todas as redes. Para finalizar, temos que falar do Gab, rede social que promete “liberdade de discurso”. O serviço é apontado pelos pesquisadores como cheio de trolls e mensagens de ódio. Se eles estiverem certos, é tipo onde o Sol não alcança, sabe? Não vá lá, Simba.

Ninguém perguntou, mas ele voltou

Sim, o Fotolog está de volta. Mas não espere que o serviço tenha mais do que nostalgia. O site segue o mesmo formato: uma foto por dia. Depois de você perder uns 15 minutos se sentindo velho e comentando que usava a internet brasileira quando tudo era só mato, não tem muito mais o que fazer. Talvez, acessar aquele seu e-mail antigo do qual você se envergonha, algo do tipo: m1rth3s_htinha@yahoo.com.br.

Markinho™ inspiracional

O ano era 2014 e Quek Siu Rui era um dos co-fundadores da Carousell, um marketplace que permite aos usuários comprar e vender produtos novos e usados, algo que não existia em Singapura nesses tempos. O formato não demorou para conquistar a atenção de clientes — e potenciais compradores, que chegaram a oferecer USD 100 milhões para levar a startup. E, apesar de toda essa dinheirama, os jovens decidiram recusar todas as propostas. O motivo? Se apoiar nos mesmo valores de Mark Zuckerberg, que acreditou no potencial de escala da sua empresa e ignorou o rio de dinheiro oferecido por quem desejava o controle da rede social. E pode curtir: hoje, a startup está avaliada em USD 500 milhões e com recursos top, como o uso machine learning para ajudar no cadastro de itens. Além disso, a Carousell está para lançar um sistema de pagamento que processa toda a compra sem sair do aplicativo. Com o aquecimento econômico do país e do Sudeste Asiático — a região virou queridinha dos investidores — muitos analistas se perguntam se a empresa saberá quando for a hora de, finalmente, dar ouvidos às ofertas. Se depender de Rui & Cia, esse momento ainda vai demorar muito para acontecer: “Ainda não atingimos nem 1% do nosso potencial”. No quesito autoestima, a criatura já pode se considerar bem parecida com o criador.