Cerveja nas sextas, videogame na firma ou pizzas na quinta são alguns dos benefícios que foram incorporados no meio corporativo. Muitos deles, por conta do exemplo dado pelas tech companies. Esse tipo de empresa, aliás, não fica de brincadeira quando se fala de mimos corporativos, fornecendo para seus colaboradores regalias como academias ou mesmo refeitórios gratuitos (olar, Google). Como ambiente de trabalho sempre foi um lugar voltado, como dizer, para o trabalho mesmo, muita gente pirou nessa nova cultura das benesses que dão um respiro no trampo nosso de cada dia. Mas, agora, parece que tanto funcionários como empregadores começam a perceber que pode ser uma boa mudar as prioridades.

Começando pelo lado proletário, o papo é bem reto: ter happy hour na empresa é legal, mas não é só isso que motivar geral no trabalho. E a coisa vai além: de acordo com uma pesquisa conduzida pela consultoria Robert Half, as prioridades dos funcionários são horários de trabalho mais flexíveis (88%), bônus (77%) e convênio médico (69%). Sendo que vantagens como academia interna ficou em uma posição mais distante, com 40%.

Ou seja: se a ideia for causar um impacto direto e positivo na qualidade de vida de quem trabalha na sua empresa, vale mais a pena implementar uma política de trabalho remoto do que comprar outra mesa de pebolim. Falando das firmas, muitas percebem que investir nos benefícios traz resultados positivos, mas estão focando em proporcionar aos colaboradores facilidades que estejam relacionadas com o seu negócio. Por exemplo, uma firma de videogames que custeia os cursos feitos pelos colaboradores em atividades na área ou uma empresa do setor de alimentação que fornece opções saudáveis de consumo.

Lendo assim, esse fato até parece óbvio, mas não são poucos os casos de empresas que acabam investindo muito em mimos e descuidam de fatores que realmente fazem a diferença para os funcionários. A ideia aqui não é cortar os benefícios, mas colocá-los como um “plus” dentro do ambiente de trabalho, de forma que o valor investido na manutenção desse tipo de oferta não acabe diminuindo o repasse para áreas como remuneração. E daí já sabe: máquina de fliperama alguma consegue ser melhor do que 5 reais a mais no holerite.