Lero-lero generator

O que você faz da vida depois que passa a ressaca da formatura? Aaron Gokaslan e Vanya Cohen resolveram usar seus créditos no Google Cloud para mostrar que você não precisa ser um gênio, bilionário, playboy e filantropo para criar uma inteligência artificial que parece um ser humano digitando na internet. O que torna a notícia curiosa é o fato de que os ex-universitários seguiram os padrões de programação criados pela OpenAI — startup que tem como um de seus patronos ninguém menos que Elon Musk. Curiosamente, a ideia foi engavetada pela empresa por conta de seus riscos. Mas, como o jovem desconhece o perigo, criaram um algoritmo e alimentaram ele com 8 mil páginas do Reddit. O resultado alcançado foi uma IA que parece um comentarista de internet e consegue escrever textões baseados em uma premissa preestabelecida, com retórica humana e argumentos. E seu código pode ser acessado gratuitamente no Google Drive.

Bootleg IA

Uma das preocupações com esse tipo de experimento é de que ele possa ser usado para disseminar notícias falsas por aí. Afinal, tempos bicudos, né A dupla de indie devs explica que a missão era replicar inteligência artificial mais poderosa da empresa, mesmo com as informações sobre o dataset sendo bem limitadas. De acordo com o pessoal da Wired, que testou as duas IAs que viraram pauta, o trabalho dos universitários consegue alcançar resultados tão fluidos quanto a tecnologia da OpenAI. Segundo Gokaslan e Cohen — que não são personagens de Dragon Ball Z — ninguém quer instaurar o caos na sociedade nem aumentar o número de fake news na web.

Conversa aberta

O lance é que os criadores do papeador virtual querem mostrar que não é necessário ter um laboratório cheio de recursos e especialistas para chegar ao nível da inteligência artificial ameaçadora da OpenAI. Para os cientistas da computação, qualquer estudante com boa orientação pode alcançar resultados similares ao GPT-2 (nome dado ao tal do bot). Quanto aos gastos, os dois estimam que utilizaram algo na casa dos US$ 50 mil em computação em nuvem. E, agora que seu trabalho está disponível de graça na internet, qualquer um pode usar a tecnologia — com consequências boas ou ruins. Depois de saber que seu trabalho havia sido replicado, a OpenAI comentou as possibilidades dessa tecnologia e pediu cuidado aos devs com o poder do código na ponta dos dedos. Miles Brundage, que trabalha na divisão de políticas da OpenAI, afirma que pelo menos cinco grupos estão trabalhando em versões mais poderosas do GPT-2.

Com grandes poderes…

De acordo com um estudo publicado na Foreign Affairs, 72% das pessoas expostas aos textos escritos pelo GPT-2 acharam as produções convincentes. Apesar de não ter liberado seu algoritmo de machine learning publicamente, a OpenAI disse que está aberta para discutir com desenvolvedores para ajudar na criação de soluções mais seguras. Além disso, a companhia lançou uma versão nerfada de seu robô comentarista, que pode ser testada de graça aqui. A novidade já mostra como os textos gerados por máquina podem ser perigosos, mas, como o programa funciona de forma pífia em português, possivelmente não vamos ver ninguém usando a tecnologia para criar discussões infinitas no Facebook. Nem newsletters sobre negócios e tecnologia. Ufa. Pelos menos, por enquanto.