Quem possui uma empresa hoje em dia precisa ter um aspecto essencial em mente: inovação. É o fator que mantém companhias vivas e pode ser decisivo para transformar uma startup em um sucesso sem precedentes. Mas algumas gigantes multinacionais não entenderam isso e desapareceram do mapa.

Se a sua empresa não é capaz de inovar, certamente outra será e tomará seu espaço no mercado. Diante disso, companhias do mundo inteiro vêm adotando ações como conversas com startups ou criando programas de R&D (pesquisa e desenvolvimento) para permanecer na concorrência.

Veja abaixo algumas empresas que faliram nos últimos anos por não seguirem esses caminhos.

Blockbuster

Talvez o caso mais famoso das últimas décadas. É impossível encontrar alguém que não se lembra de ir a uma locadora nos dias frios e alugar um bom filme – ou até jogos de video game, se você for um pouco nerd – e passar o final de semana inteiro em casa. Pois é, esse tempo já passou e levou com ele a maior franquia do segmento.

A Blockbuster era gigante e possuía uma clientela extremamente fiel. Esses fatores, porém, não foram suficientes para salvá-la de uma morte horrível. As pessoas pararam de alugar DVDs depois do surgimento de serviços de streaming em demanda, como Netflix e Net Now.

Ironias da vida ou não, a Blockbuster poderia ter comprado a Netflix em 2000, quando a empresa era ainda apenas startup que realizava serviço de delivery de DVD, mas não a comprou. Por conta de uma decisão errada, a companhia veio a falir em 2013 de forma trágica.

Kodak

Sinônimo de empresa do seu setor, a Kodak chegou a ser dona de 80% das câmeras e 90% dos filmes fotográficos vendidos no planeta na década de 1970. Nesse caso, a empresa até chegou a inovar, mas fez isso errado.

No início daquela década, a Kodak inventou nada menos que a câmera digital. Mas prevendo que a tecnologia iria prejudicar a venda de seus filmes, engavetou a ideia. Só não contava que, 20 anos depois, outras companhias desenvolveriam suas câmeras e colocariam uma pedra em cima dos filmes analógicos.

A empresa até tentou sobreviver lançando seus protótipos de câmeras de digitais, mas já era tarde demais. Seu nome já não era sinônimo de excelência entre fotógrafos, então faliu em 2012. A Kodak voltou ao mercado recentemente, mas ainda não alcança resultados significativos diante de uma forte concorrência.

Yahoo! 

Maior portal de internet do planeta em 2005, o Yahoo! chegou a valer nada menos que US$ 125 bilhões. Impressionante, não? Ironicamente, hoje em dia lembramos dele só para dar risada do Yahoo! Respostas.

Passados quase 10 anos, a empresa acaba de ser negociada a preço de banana para a Verizon. O valor da compra foi de apenas US$ 4,8 bilhões, uma pequena fração dos US$ 44,6 bilhões oferecidos pela Microsoft em 2008, quando já estavam em crise.

O posicionamento do portal e a falta de inovação foram determinantes para jogar a última pá de terra sobre o caixão. O Yahoo! poderia ter sido o maior serviço de pesquisa de toda a internet, mas optou por ser um portal de mídia. Por isso, deixou de comprar Google e Facebook. Vale lembrar que a primeira chance de adquirir a Google foi quando a empresa mais valiosa do mundo era apenas uma startup, e seu valor era de somente US$ 1 milhão.

Xerox

Esta empresa não faliu, mas o caso é um verdadeiro exemplo de como não gerir seu time de inovação. Mesmo sendo uma das empresas que mais ajudaram o ser humano a desenvolver tecnologias que usamos hoje em dia, atualmente ela vale muito menos e, no Brasil, é apenas um sinônimo para fotocópia.

O time de pesquisa e desenvolvimento da Xerox conseguiu criar coisas extremamente inovadoras para a época. Computadores, impressoras a laser, desktop, interfaces gráficas, mouses, Ethernet, entre outras coisas. Entretanto, a companhia nunca soube administrar seus inventos e protegê-los da concorrência.

Por exemplo, Steve Jobs deu início aos seus computadores somente depois de uma visita ao centro da Xerox, no Vale do Silício. Ele não foi o único a copiar a tecnologia da companhia com o objetivo de lucrar, na verdade foi apenas o primeiro de muitos. 

Diante disso, é possível afirmar que a empresa que menos lucrou com as inovações da Xerox foi a própria Xerox. Não basta ter um time de inovação dentro de sua companhia sem que haja uma equipe de gestão capacitada para implementá-las no mercado.     

Myspace

Uma das maiores redes sociais do mundo quando surgiu, o Myspace teve o mesmo futuro que o Orkut: esquecimento. A ideia era conectar pessoas ao redor do mundo para dividir fotos e outros tipos de mídia, como músicas. Porém, a plataforma estagnou e não lançou mais novidades.

Quem nunca passou horas tentando alterar o fundo do próprio perfil dentro do Myspace? A dificuldade em editar a página dentro da rede também contribuiu para que ela desaparecesse. Com o surgimento de outras redes mais simples – o maior exemplo de todos é obviamente o Facebook –, o Myspace perdeu seu espaço, sendo vendido anos depois e sumindo.

Atari

Imaginar uma companha como o Atari falindo é triste. A empresa deu início praticamente sozinha ao gigante mercado de video games que vemos hoje em dia, inovou em diversos jogos, como Pong, e plataformas, como o console Atari 2600.

Seu sucesso, porém, foi sua ruína. A empresa do Vale do Silício inspirou outras produtoras a surgirem, e o mercado superaqueceu de uma forma absurda na década de 1980. Na época, o Atari foi obrigado a enterrar milhares de fitas não vendidas e assumir o grave prejuízo.

Quando o mercado voltou ao normal, a empresa tinha diante dela concorrentes de peso e que já haviam tomado a liderança no ranking de vendas, como a Nintendo. Depois disso, a companhia nunca mais se reergueu, chegando a falir e voltar várias vezes. Em 2008, por fim, foi vendida para manter a marca ainda viva.

Blackberry

A inventora do smartphone chegou ao topo no início dos anos 2000, chegando a ter mais de 50% do mercado de celulares nos Estados Unidos em 2007, mas nesse mesmo período começou a afundar.

O motivo? A chegada do iPhone. Lançado no dia 29 de junho daquele mesmo ano, o aparelho sacudiu o mercado, mas a Blackberry não deu atenção. Pelo contrário, ignorou completamente a tecnologia criada pela Apple, como o touchscreen, julgando que a empresa jamais conseguiria se consolidar como a Blackberry. Grave erro.

Com as mudanças promovidas pela companhia de Steve Jobs no mercado, a concorrente perdeu espaço e viu todo o comércio de smartphones ser remodelado. A Blackberry faliu e, hoje em dia, tenta se reerguer utilizando o sistema operacional Android.