Trabalhar para uma startup do Vale do Silício é o sonho de muita gente. Mas, virou um pesadelo para quem foi contratado pela WrkRiot, que antes se chamava 1for.one (e antes ainda JobSonic). As mudanças de nome parecem ter uma relação íntima com o CEO da empresa, Isaac Choi, que usou quatro nomes diferentes, mentia sobre sua formação e currículo, além de ter deixado uma dúzia de profissionais na mão antes de ser investigado.

A startup planejava ser uma plataforma de recrutamento e tinha como slogan: "no games, just jobs". Guarde essa informação para sentir a fina ironia dessa história cabeluda.

WrkRiotIsaac Choi pode pegar 20 anos de prisão e pagar multa de USD 250 mil por fraude

O primeiro aviso de problema foi dado por uma postagem no Medium de Penny Kim, uma ex-funcionária que contou como foi enganada por Choi em agosto de 2016. Ela foi contratada para uma vaga de diretoria de marketing quando morava em Dallas. Depois de uma entrevista e negociação relâmpago, Kim pensou que havia estourado. Conseguiu um bônus de USD 10 mil para as despesas de mudança, um salário de USD 135 mil, participação acionária e uma indenização de três meses em caso de demissão.

Ok, era bom demais para ser verdade. Ela deixou o apartamento, gato e namorado no Texas para se mudar para a Califórnia – foi aí que azedou.

No paycheck, just jobs

O primeiro salário atrasou, mas chegou – sem o bônus. Depois, Kim descobriu que um de seus colegas havia emprestado USD 50 mil para o CEO da empresa. A justificativa de Choi é que ele tinha USD 2 milhões em contas offshore, que estavam bloqueados pela receita federal dos EUA.

A coisa fica pior: após meses de atrasos no pagamento, Choi enviou para os funcionários um screenshot de uma transferência, photoshopado, dizendo “o salário está chegando”. Um estagiário descobriu a malandragem e, nem preciso falar que essa grana se perdeu no meio do caminho, né?

Kim deixou a empresa após quatro meses, investidores e conselheiros também abandonaram a WrkRiot. Outros ex-colaboradores também contaram histórias semelhantes sobre Choi. Ele foi investigado e confessou que enganou todo mundo mesmo, sendo condenado por fraude nas informações sobre sua formação, experiência profissional, fortuna e valor investido na empresa.

A sentença do malandro confesso vai sair em maio. O “empreendedor” pode pegar até 20 anos em cana e ter que pagar uma multa de USD 250 mil.

Curtiu o texto? Saiba que isso é só um gostinho do que é publicado diariamente na newsletter do The BRIEF, que traz as principais notícias do mercado de tecnologia pra você, todas as manhãs. É serious, é business, mas com um jeitão bem descontraído (#mozão). Para assinar, é só clicar ali -> aqui